Armazenamento de cordão umbilical conta com 23 mil unidades em estoque

O transplante de células-tronco encontradas no cordão umbilical dos recém nascidos pode curar mais de 80 doenças. Isso ocorre devido a do sangue presente no cordão ser rica em células-tronco hematopoéticas que pode ser coletada após o nascimento do bebê e o armazenamento pode ser doado às pessoas que precisam de transplante da medula óssea. O procedimento é seguro e não causa dor.

A pediatra e neurologista, Marily Soriano, do Hospital Santa Luzia em Brasília, explica que o transplante de medula óssea é uma indicação no tratamento de várias doenças, como a leucemia, linfomas, anemia grave e congênita, hemoglobinopatias, imunodeficiências congênitas e mieloma múltiplo.

O Instituto Nacional do Câncer, o Inca, informou que até o mês de setembro deste ano, foram 23.850 unidades de cordão umbilical preservadas nos bancos públicos do Brasil e 186 unidades utilizadas em transplantes que foram realizados.

Os bancos de cordão umbilical tem a responsabilidade de realizar exames, procedimentos, armazenamento e de fornecer às células-tronco hematopoéticas de sangue de cordão umbilical A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), segue alguns critério para o uso desse material.

São 13 bancos públicos e 19 privados, segundo a Anvisa, em atividade no Brasil. Entre os anos de 2013 e 2016 houve diminuição de 48% para o setor privado e 30% para o setor público, no número de unidades que foram coletadas e armazenadas nos bancos.

Os bancos unidos na chamada Rede Brasilcord, atua em maternidades que são selecionadas previamente, segundo informações do Inca, que por meio de protocolo padronizados abordam gestantes nos ambulatórios de pré-natal e pré-parto. As gestantes respondem um questionário sobre a saúde delas e do bebê e assinam um termo de consentimento para poder realizar a doação. Elas são orientadas por profissionais treinados nos bancos sobre a importância da doação e sobre a segurança para elas e para o bebê durante o procedimento.

Os estados que disponibilizam o procedimento da Rede Brasilcord são no Rio de Janeiro, os Hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês em São Paulo, e também os hemocentros de Campinas, Ribeirão Preto, Belo Horizonte, Belém, Fortaleza, Recife, Brasília, Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis.

 

 

Author: VLBrazil