Assassin’s Creed: Adaptação Tenta Empolgar, Mas Decepciona

No dia 12 de janeiro chegou aos cinemas brasileiros um dos lançamentos mais aguardados pelos gamers do país: Assassin’s Creed, a adaptação cinematográfica do vídeo game de mesmo nome, lançado originalmente em 2007.

O filme conta a história de Callum Lynch (Michael Fassbender), que através de um moderno e sofisticado dispositivo, consegue explorar as memórias de seu ancestral, Aguilar, e no processo ganha as habilidades de um assassino profissional e descobre sua ligação com uma sociedade secreta de assassinos.

O longa contou com um alto investimento em sua produção, que vai desde o generoso orçamento estimado em pelo menos 125 milhões de dólares e chegando ao estrelado elenco, que conta com a presença de astros de Hollywood como o já citado Michael Fassbender e a atriz Marion Cotillard.

Mas apesar do alto investimento e da expectativa ao seu redor, a produção dirigida por Justin Kurzel decepciona. O longa já havia estreado nos Estados Unidos há semanas, sem conseguir chegar a marca de 50 milhões de dólares – um verdadeiro fracasso financeiro quando se considera seu orçamento. E o fracasso não é apenas financeiro; a opinião dos críticos diante da adaptação também não ajuda a melhorar a reputação do filme.

Há vários possíveis motivos para Assassin’s Creed ter um desempenho tão insatisfatório, mas um ponto especialmente fraco no filme é o roteiro de Michael Lesslie, que se apresenta com diálogos fracos e medíocres, além de provocar mudanças drásticas na história do game e de ter furos na trama que desafiam a suspensão de descrença de qualquer telespectador.

Assassin’s Creed não está sozinho em ser uma adaptação decepcionante, mas o filme é especialmente frustrante porque mais do que outra adaptação recente, o longa era mais uma tentativa de Hollywood de realizar uma adaptação bem sucedida de um vídeo game popular, algo raro na indústria. Por mais lucro que adaptações de quadrinhos e livros gerem em Hollywood, a lucrativa indústria de games ainda é um mercado arriscado e incerto para a sétima arte.

A incapacidade de Hollywood em produzir adaptações atrativas de games vem de anos e pode ser atribuída a diversas razões, como a inabilidade de adaptar um vídeo game de uma maneira que seja agradável para seu público alvo, pecando no excesso ou na falta de ação e errando ao fazer mudanças drásticas e desnecessárias na história.

Outra possível razão é que adaptações de games frequentemente passam pelo mesmo tratamento que adaptações de quadrinhos passam, e como são mídias radicalmente diferentes consumidas e produzidas de modo radicalmente diferentes, é apenas inevitável que o resultado não seja o mesmo e os filmes fracassem.

Talvez o lançamento de Lara Croft no próximo ano mude a sorte de Hollywood quanto a adaptações mal-sucedidas, mas já é um consenso geral que não foi com Assassin’s Creed que essa maldição cinematográfica foi quebrada.

 

Confira aqui o trailer de Assassin’s Creed.

 

Author: VLBrazil