Mercosul destaca o comércio bilateral entre Brasil e Paraguai

Ainda este ano, o comércio entre o Brasil e o Paraguai deve ultrapassar os US$ 4 milhões. O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, afirmou durante o 22º Meeting Internacional, realizado em outubro, em Assunção no Paraguai, que esse será um recorde na história de ambos os países. O evento foi promovido por um grupo de empresários de todo o Mercosul, o LIDE.

O ministro comentou sobre o controle da inflação, redução dos juros e reformas estruturantes, que são necessárias para o país. Ele também citou sobre a revisão dos marcos regulatórios dos setores essenciais na construção de um ambiente favorável para novos negócios. Ele também disse que os empresários devem observar o gasto público, pois o Brasil possui uma alta carga tributária.

Dyogo destacou em sua apresentação o PIB elevado e as medidas tomadas pelo governo para retomar o crescimento econômico, assim como os impactos que essa iniciativa teria na economia dos outros países do Mercosul. O destaque foi para as empresas públicas e os projetos e parcerias público-privadas. O Índice da indústria, comércio e do consumo das famílias é a prova de que a atividade econômica no país vem se recuperando, além da redução no desemprego.

O ministro diz que US$ 80 bilhões serão de investimentos internacionais aplicados no país para promoção de desenvolvimento. Ele comenta que está visitando outros países para incentivar os empresários locais a fecharem negócio, como o Paraguai faz, e apoiando o ganho de todos os países do Mercosul, sendo esse um equilíbrio do Bloco.

O Brasil e o Paraguai, possuem mais de 1,3 mil quilômetros de fronteiras em comum e são os fundadores do Mercosul. A maioria dos produtos que o Paraguai consome são importados do Brasil, sendo o país um dos maiores fomentadores da economia do Paraguai. O Brasil fornece 76% da energia consumida no Paraguai, através da Itaipu Binacional, a maior usina hidrelétrica do mundo.

O PIB dos dois países são semelhantes, sendo baseada no consumo, o que faz com que a atividade comercial bilateral seja tão importante, com um registro de quase US$ 4 bilhões neste ano.

 

 

Author: VLBrazil